VANGUARDA NOTÍCIAS

Cruzeiro faz planos para Sassá no time

Por Sergio Santos | 08/01/2018 11:11

Por conta de algumas atitudes polêmicas fora de campo, o atacante Sassá chegou a ter o seu nome envolvido em possíveis trocas e esteve próximo de deixar o Cruzeiro. O Grêmio, por exemplo, recusou o atleta como reforço, pelos problemas extra-campo, na troca pelo lateral-direito Edilson, que acabou vindo para o time celeste após a ida do meia-atacante Alisson. No entanto, a nova diretoria celeste pretende prestigiar Sassá e dar novas oportunidades ao jogador.

O vice-presidente de futebol da Raposa, Itair Machado, mostrou-se impressionado com a quantidade de jogos que o atacante fez e o número de gols marcados. Na maior parte do tempo como reserva, o atleta fez 15 partidas no Campeonato Brasileiro e marcou seis gols, número que mostra o seu potencial como finalizador e a importância que ele pode ter para o clube na temporada, conforme analisa o dirigente celeste. Por conta da permanência do polêmico atacante, o clube não exercerá o direito de compra do jovem atacante Jonata, que retorna ao CRB.

“Não vamos exercer a opção de compra pelo Jonata. Além do Fred, nós temos o Sassá e o Raniel. O Sassá quase não jogou e fez seis gols. Então, olha o potencial desse jogador. Assim que ele retornar (de lesão), vamos querer utilizá-lo”, afirma o vice-presidente.

Retorno. Apesar da expectativa de Itair Machado, ainda não há uma previsão de retorno do jogador aos gramados. Sassá passou por uma artroscopia no joelho direito, no dia 21 de outubro, pois vinha se queixando de dores no local. Desde então, ele vem se recuperando do processo cirúrgico. Segundo o departamento médico celeste, o atacante permanece se recuperando do problema. Devido à gravidade da lesão, eles estão sendo cautelosos para não precipitar o seu retorno.

A última partida de Sassá foi no dia 10 de setembro do ano passado, fora de casa, contra a Chapecoense, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. A Raposa venceu por 2 a 1, e o atacante entrou no segundo tempo, na vaga de Raniel. 


Fonte; O Tempo